O Homem de Aço, o melhor filme de super-herói subestimado que você respeita

Em junho de 2013 chegava aos cinemas O Homem de Aço (Man of Steel), filme esse que foi responsável não só por reapresentar o maior super-herói de todos na telona, mas também fomentar todo o terreno para o universo cinematográfico da DC. A recepção do filme após seu lançamento foi bem dividida, pra alguns o filme dirigido por Zack Snyder adaptou muito bem a jornada do último filho de Krypton para os dias atuais, para outros é só um filme com cenas de ação chamativas mas sem conteúdo.

Mas você deve estar se perguntando: Por que raios esse cara está falando de um filme de 2013?

Porque eu adorei O Homem de Aço! E vou puxar a brasa pra sardinha dele sim (isso não significa que eu seja um fanboy, só pra constar), então aqui vai alguns dos motivos que fazem O Homem de Aço ser um dos melhores filmes desse subgênero que amamos tanto:

 

Krypton

Que melhor maneira de iniciar um filme do Superman que nos apresentando Krypton? E que Krypton!

É impossível assistir ao primeiro ato de O Homem de Aço e não querer um filme inteiro se passando nessa Krypton fantástica. O design de produção é estonteante, nessa versão do planeta natal de Kal-El (Henry Cavill), as cidadelas são construídas de forma que se mesclam com a geografia do planeta, mas não é só isso que transforma essa Krypton em uma das melhores apresentadas. Tudo é muito bem feito, desde as criaturas até as naves, desde as roupas até as armas, isso sem falar da tecnologia Kryptoniana que salta aos olhos.

 

Narrativa não linear

Uma das críticas mais recorrentes ao filme é o “excesso de flashbacks” durante a trama. Porém um dos fatores que diferencia O Homem de Aço dos demais filmes de super-herói é justamente sua narrativa não linear, isso fez com que o filme ficasse mais dinâmico e ao invés de uma quebra de ritmo, esse estilo narrativo desenvolveu muito bem nosso querido Clark, desde a infância e sua relação com os pais em Smallville, até se tornar o salvador de Metrópolis, e tudo isso sem perder o ritmo.

 

Ação

Uma coisa que todos temos que concordar é que Zack Snyder manda muito bem nas cenas de ação. Aqui não seria diferente, as cenas de ação em O Homem de Aço são extremamente empolgantes. Como seria se dois deuses se enfrentassem em uma batalha dentro de uma das maiores cidades do mundo? Bom, nesse filme você tem a resposta. As cenas de voo também são lindas, o espectador se empolga junto com Clark nos seu primeiros voos.

 

Trilha sonora

Uma outra crítica, que é comentada até hoje, foi a ausência do tema clássico criado por John Williams para o filme de 1978. Nesse caso dá pra entender, como desvencilhar Superman desse tema icônico? Mas mesmo que muitos queiram me matar depois disso, eu vou dizer. O tema clássico não se encaixaria muito bem nesse recém criado universo DC. Ao contrário do filme de 78, O Homem de Aço é mais sério e menos otimista que seu predecessor, logo o tema clássico não teria espaço no filme. Mas sem o gênio John Williams no comando da trilha sonora, quem poderia fazer um trabalho tão primoroso? E a resposta foi: Hans Zimmer.

A trilha sonora composta por Zimmer para o filme é fantástica. Sem sombra de dúvida ela se encaixa perfeitamente ao filme, ela empolga, emociona e te faz vibrar. O filme com toda a certeza desse mundo não teria a mesma beleza sem essa trilha.

 

Vilões

Em terra de filmes com vilões ruins, quem tem um bom é rei.

Não é segredo que a grande maioria dos filmes de super-heróis não acertam nos vilões. Alguns são rasos, outros sem motivações e alguns bem caricatos. Em O homem de aço somos apresentados ao General Zod (Michael Chennon), um líder militar Kryptoniano, condenado a passar a eternidade na zona fantasma por iniciar uma rebelião para tomar o poder do planeta, mas como sabemos que o vilão deve enfrentar o mocinho, deu pra ver que ele não ficou tanto tempo assim na zona fantasma…

A missão de Zod é proteger Krypton e seus habitantes a qualquer custo. Essa missão, literalmente, faz parte do seu DNA, e o que está entre Zod e “Krypton” é Superman. O que deixa as coisas ainda mais interessantes é que Zod não está sozinho, junto dele está um pequeno exército de Krypitonianos, dificultando ainda mais o lado do azulão. Dentre esses soldados o destaque vai para Faora-Ul (Antje Traue), braço direito do general e tão poderosa e intimidante quanto ele.

Esses são alguns dos motivos pelos quais eu tenho certeza de que O Homem de Aço é um grande filme, com muitos pontos positivos e que merecia ser mais valorizado.

E aí, concorda comigo? Qual outro filme que você acha muito bom mas é subestimado?

Curta o Crítica Criativa no Facebook e se mantenha atualizado de todo o universo nerd!

Thomas Gregory

Thomas Gregory

Publicitário e fã de Nicolas Cage!