Homem-Aranha: O maior Herói de todos

Por alguns dias eu pesquisei mais a fundo, li histórias que até então não havia lido e assisti novamente alguns filmes. Tudo isso para escrever mais uma matéria que apresentasse de maneira mais detalhada o personagem aos novos fãs, que trouxesse algumas curiosidades, e por fim, que indicasse alguns materiais que valessem a pena gastar o seu precioso com uma leitura. Mas dessa vez resolvi fazer diferente, até porque, nenhum outro herói merece tanto uma homenagem quanto esse.

É impossível ser impassível ou muito menos não gostar do Homem-Aranha. Mesmo que seus heróis favoritos não estejam na casa das ideias, ou que você não goste tanto assim se super-heróis e quiçá caia na besteira de se achar muito velho para dizer que gosta de quadrinhos; você tem que admitir que o cabeça de teia é um personagem extremamente importante. Importância essa que vai muito além da sua relevância nas histórias em quadrinhos, mas também na capacidade de influenciar de maneira positiva todos nós que crescemos juntos com sua jornada.

Creio que todo esse amor ao aranha se deve a identificação. Alguma vez você já foi o último a ser escolhido para jogar alguma coisa na educação física? Se apaixonou por uma garota que não te dava muita atenção? Preferia falar sobre nerdices ou ler algum quadrinho ao invés de jogar bola? Ou que já foi zoado por algum cara popular na escola? Aposto que muitos aqui passaram por algumas dessas situações. Mas não estamos sozinhos nessa, assim como muitos de nós, Peter Parker era só mais um nerd com problemas tão reais, assim como os nossos, a diferença é que ele teve a ajuda de uma aranha radioativa…

Criado no ano de 1962 por Stan Lee e Steve Ditko, o Homem-Aranha foi concebido com o objetivo de conversar com o público jovem, público esse que crescia dia após dia graças a certos personagens e supergrupos, com destaque para a Liga da justiça e o Quarteto Fantástico. Foi na edição de número 15 da revista Amazing Fantasy que o amigão da vizinhança fez sua estreia, e que estreia; a ideia de Lee em criar um personagem, que assim como seu público, era um adolescente com problemas reais e cotidianos, mas que acabava se tornando um super-herói, foi uma receita de sucesso, fazendo com que o estreante Homem-Aranha ocupasse um dos postos de mais vendidos da editora. No mês de março do ano seguinte, o Homem-Aranha já tinha sua revista própria, a The Amazing Spider-Man, que coroou o personagem como o mais vendido da Marvel, a importância e popularidade do personagem era tão grande, que foi eleito um ícone revolucionário da década de 60.

Porém não estamos aqui para falar do lado editorial do personagem, mas sim o quão responsável ele foi por nos mostrar valores que levamos durante a vida. Já tentaram se imaginar no lugar de Peter Parker? O quão tentador seria revelar para todos que você é o Homem-Aranha? Com certeza sua vida teria uma guinada de 180 graus, o nerd que passava despercebido agora era o herói mais adorado por todos. Com certeza muitos de nós tomariam essa decisão, mas que escolha mais egoísta seria, colocar nossa família e amigos em perigo por simples vaidade; essa é a primeira lição que o jovem Parker nos ensina, também, como não ter uma conduta dessas como um homem como tio Ben te criando, lembre-se, “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”. Outra situação tentadora seria de alguma forma utilizar esses poderes para levar uma vida confortável e sem apertos, pois assim como muitos, Peter Parker tem contas a pagar, mas que tipo de herói utiliza um dom para benefício próprio? Mais uma vez a frase de tio Ben deve ser lembrada, não é porque podemos fazer certas coisas, que devemos; entretanto, se podemos fazer algo que possa ajudar outras pessoas, nem que for um pouco só, todo o esforço é válido.

Podemos lembrar os maiores atos de heroísmo do personagem como grandes batalhas contra seus inimigos, mas se pararmos para pensar, sua grande preocupação está em salvar e proteger as pessoas que podem se machucar durante esses embates. Um exemplo disso é a fantástica cena do trem em Homem-Aranha 2, onde após Dr. Octopus deixar o trem em alta velocidade e sem freios, o cabeça de teia faz de tudo para pará-lo, chegando a utilizar o próprio corpo para impedir que o trem repleto de passageiros caia fora dos trilhos. Mas se tem um ato que resume todo o heroísmo de Peter Parker, ele se passa na revista “O Garoto que Colecionava Homem-Aranha”; provavelmente uma das melhores histórias do aranha. Nela somos apresentados a Tim Harrison, um garoto que se diz o fã número um do Homem Aranha, e seu maior sonho é conhecer pessoalmente o herói, assim que aracnídeo lê a matéria sobre seu maior fã no Clarim diário, ele vai até Tim e surpreende o garoto com uma visita; os dois passas a noite toda conversando até chegar ao ponto de Peter revelar sua identidade ao garoto, após um abraço Peter se despede de Tim, e sabemos que a conversa com o Homem Aranha tenha talvez sido uma de suas últimas, pois Tim pode morrer a qualquer momento por conta do seu estado terminal de leucemia. O maior ato heroico do Homem-Aranha foi ser humano.

E aí, tem mais algum herói que te inspira? Está ansioso para o mais novo filme do aranha?

Curta o Crítica Criativa e acompanhe todas as novidades sobre o Homem-Aranha

Thomas Gregory

Thomas Gregory

Publicitário e fã de Nicolas Cage!