Crítica: The Walking Dead | S08 EP04 | Some Guy

Mais um eletrizante episódio da série passou e nos trouxeram algumas perguntas, vamos lá?

 

Que essa temporada da série está tiro porrada e bomba todo mundo já sabe, e talvez por isso a grande gama de críticas a série, que, está cada vez mais vazia e sem sentido, não convencendo com seu enredo extremamente focado no quanto Negan mudou a personalidade de Rick. Mas ainda sim, continua nos trazendo bons momentos, principalmente quando trabalha tão bem seus outros personagens.

Em um episódio quase que totalmente dedicado a Carol e Ezekiel vemos o desenrolar e quebra do paradigma do Rei. Bom, da Carol não preciso dizer nada não é? QUE MULHER MEUS AMIGOS, mostrando de novo que é disparado a personagem mais inteligente da série, ela conseguiu quase que sozinha, salvar Ezekiel e por pouco não fica com as armas de calibre pesado que mataram os soldados do reino. E quando você acha que ela não consegue mais te surpreender, ela vai la e consegue. Mas claro que as saídas fáceis e clichês a acompanharam … Sério que o cara foi rendido tão facilmente assim? E por uma milagre aquele botam do portão apareceu ali para coincidentemente salvar o dia. OK, relevem e admitam que mesmo com esses erros, Carol é um Mulherão da porra!

Resultado de imagem para gif carol twd

Lá vamos nós falarmos sobre Ezequiel, eu sou suspeito pra falar … Sempre adorei o personagem e toda a sua construção, agora, vamos viver aquele momento de virada que a série faz com todos os seus personagens relevantes, o rei vai ficar até o Middle Season Finale com o pé na jaca, até se dar conta de que o povo dele precisa dele, assim como ele precisa de seu povo acreditando em seu reinado. É um momento importante para ele, acredito que suma por uns 2/3 episódios, mas deve voltar e se resolver bem, depois volta a ser um grande aliado na luta contra os Salvadores.

Deus Ex pra cá e pra lá, isso na verdade é o grande ponto negativo da série como um todo, e nesse episódio … usaram e abusaram. Chega a ser cansativo a forma com que criam os contextos para a construção do climax. Eu juro que toda vez que ouço um “Eu sou Negan” me da um pequeno ataque cardíaco, tipo … sério galera, ja deu dissaê. Enfim, a forçada que deram no sequestro do rei, por um dos soldados do déspota, mesmo que o diálogo seja necessário ficou extremamente cansativo e todos nós ja sabíamos o que ia dar a partir do momento que Ezekiel caiu pela primeira vez no chão. Eis que surge …. para salvar o dia …. Jerry …. ou melhor, Deus Ex Jerry. Apesar da cena bem construída do corte no meio, foi uma saída que mostrou totalmente a preguiça dos produtores em construir um bom climax para o rei, do mesmo jeito que fizeram com a cena da Sheva :'( Apesar de emocionante, foi o 989.897.009 desse espisódio, então, acaba perdendo até a graça de toda a produção em cima da cena.

Agora vem cá … apesar de ser legal a cena do Rick e Daryl correndo atrás do caminhão das armas para conseguir pega-las, como que eles sabiam onde o caminhão estava indo e como foram tão rápidos para chegar até ele? Bom, só espero saber em breve … Não tenho muitos comentários sobre essa cena, apenas que foi legal, perseguição ao estilo Mad Max é sempre bom de ver, ainda que tivera sido simples de se resolver também, o que me trouxe uma certa frustração.

No geral, temos oficialmente o primeiro bom episódio da temporada, ainda que abusando do seu Deus Ex preguiçoso, o primeiro episódio que valeu um pouco a pena ficar até tarde assistindo, mas não se animem … esse episódio só realmente foi bom, por conta dos outros serem ruins e no máximo medianos. Mas, olhando com bons olhos, a série está em uma crescente de bons episódios … se manter assim, teremos um grande middle season.

Enquanto não sabemos se o próximo episódio será bom, curte a gente lá no Facebook e também se inscreve no nosso canal, estamos fazendo criticas em vídeo da série lá, ok? Nos vemos semana que vem!


PROMO DO 5º EPISÓDIO:

 

Rodrigo Mota

Rodrigo Mota

Um cinéfilo que cursa Publicidade e Propaganda e é extremamente viciado em Pop! Funkos.