Crítica : Stranger Things – O fenômeno Netflix

Poucas vezes uma série se tornou um fenômeno em tão pouco tempo… Conheça Stranger Things!

É admirável a forma como o serviço de streaming Netflix vem investindo cada vez mais em seus filmes e séries. Que estão com a qualidade cada vez melhores.

Como já comentamos aqui no Cri-Cri, a Netflix atualiza seu catálogo diariamente e no período de troca de mês, ela sempre nos presenteia com muitos títulos.
No mês de julho não foi diferente. No dia 15 de julho, em sua atualização, o serviço disponibilizou uma série que em menos de 2 dias virou um fenômeno de crítica e nostalgia ao redor do mundo. Assistimos toda a primeira temporada da nova série original da Netflix “Stranger Things” e estamos boquiabertos.

Vou confessar que assisti ao trailer que a Netflix divulgou e não me senti muito atraído, mas como um bom amante de novas séries, entrei de cabeça nessa e assisti ao capítulo um (os episódios são denominados por capítulos), quase sem fôlego precisei ver o capítulo dois e depois precisei ver o terceiro e quando me dei por conta estava na season finale.

Com 8 episódios de 50 minutos, em média, esta é a série que estávamos precisando no momento.
Primeiramente, “Stranger Things” é uma série que se passa totalmente nos anos 80. Isso já dá a ela um charme inconfundível tanto pela sua linguagem visual, quanto pela sua trilha sonora.
Segundo que as personagens são muito cativantes, é impossível gostar de um só. Nem preciso falar que as crianças roubam toda a cena né?
A história, basicamente, se passa em uma cidade em que nada acontece, a cidade perfeita. Mas o sumiço de uma criança, Will Byers (Noah Schnapp), dá início a diversos acontecimentos estranhos e a busca pelo garoto vai revelando diversos segredos macabros da cidade.
Um a um, sem enrolação, os capítulos vão em ritmo acelerado e desvendando os mistérios em torno dos acontecimentos enquanto sua mãe Joyce (Winona Ryder) e os amigos Mike (Finn Wolfhard), Lucas (Caleb McLaughlin) e Dustin (Gaten Matarazzo) também vão sair em busca de Will e conhecem Eleven (Millie Brown). Apesar de Winona Ryder atuar com maestria, quem abrilhanta a série e roubam a cena são as crianças.

Logo as crianças descobrem que a cidade está envolvida em experimentos governamentais e que todos correm grandes perigos devido a fatores paranormais. Digo fatores paranormais porque a série investe bem em efeitos especiais e tem monstros, portais, submundos, etc.

O bom de tudo é que a temporada tem um desfecho, mas com vários ganchos para uma próxima temporada, o que já deixa a galera cheia de criatividade para teorias malucas.

A série te prende de uma forma que você ficará perturbado para saber o que aconteceu, o que está acontecendo e o que acontecerá. Com muito mistério e muitos sustos a dica é não piscar e prestar atenção a cada detalhe, pois são eles que constroem a história.

Estamos aqui ansiosos para a próxima temporada, queremos ouvir sua opinião e se você ainda não assistiu não sabe o que está perdendo. Curta nossa página no facebook!

Jemerson Vieira

Jemerson Vieira

Um publicitário que adora tudo sobre séries, inovação e empreendedorismo. Fundou o Cri-Cri para quebrar padrões em críticas e estar sempre atualizado nas coisas que ama!