Crítica : Marco Polo 2ª Temporada – Netflix

Você conhece a história do mercador Marco Polo? 

A Netflix, original e criativa como de costume, lançou ao final de 2014 sua primeira série em formato “épico/histórico”. 

Sinopse: Marco Polo é uma série de televisão dramática sobre os primeiros anos de Marco Polo na corte de Kublai Khan, o Khagan do Império Mongol e fundador da Dinastia Yuan, que durou de 1271 a 1368.

Como dito na sinopse, a proposta é justamente dramatizar a vida do jovem mercador Marco Polo (Lorenzo Richelmy) após ser deixado por seu pai em um lugar totalmente desconhecido e nada amigável : O Reino do grande Khagan(título), conhecido como o Khan dos Khans, o Mongol Kublai Khan (Benedict Wong).
Esta é uma crítica da segunda temporada, mas antes de inicia-la vamos a um breve resumo do que foi a primeira temporada da série:

A primeira temporada nos apresentou um ponto de vista histórico-narrativo muito diferente. Ao invés de roteiros lineares e explicativos a respeito de personagens importantes na trama, fomos conhecendo o universo a partir da visão de Marco. Com o passar dos episódios e através de seu desenvolvimento dentro do contexto vivido no reino de Kublai, as coisas vão se explicando e se tornando motivações para um desfecho de guerra entre Mongóis e Chineses, com destaque para o “vilão” Jia Sidao (Ng Chin Han).


Segunda temporada: 

Assim como na primeira temporada, é impossível deixar de destacar o qualidade de produção vista na série.

Em alguns momentos a beleza dos cenários, cores e coreografias apresentadas em tela conseguem deixar os espectadores maravilhados. A segunda temporada com certeza foi muito mais linear que a anterior, por mais bela que seja a série, por mais qualidade que suas lutas apresentem, por mais que tenha muita riqueza em detalhes, nada disso faria sentido sem um roteiro bem escrito. E na segunda temporada isso finalmente foi entregue. Muitos levaram um certo tempo para abraçar a proposta de Marco Polo na primeira temporada, talvez este tenha sido um dos principais motivos para a “baixa” repercussão que ela teve, considerando o seu orçamento inicial (90 milhões).

Com a melhoria e beleza da segunda temporada, torna-se inevitável a comparação com Game of Thrones, acredito que os fãs da série já devem estar cansados de ouvir essa frase, mas temos que entrar neste ponto.

A proposta “épica” de Marco Polo, a meu ver, em relação a qualidade de produção e cenários e coreografias se equivale a maior série da atualidade. Mas, no quesito roteiro, diálogos e tudo que envolve a relação público-personagem ou até mesmo personagem-personagem dificilmente pode ser comparado com GOT. E caso exista a tentativa desta comparação, inevitavelmente veremos um massacre por parte da série da HBO.

Por mais que a comparação entre GOT e MP não seja justa, isso não desqualifica a produção da Netflix. Ao decorrer da segunda temporada pudemos nos aprofundar ainda mais na relação entre Marco e Kublai Khan, além disso, tivemos a apresentação de novos arcos entre personagens que na temporada anterior eram meros “espectadores” da trama real.

Um ponto que não podemos deixar escapar é a trilha sonora. Desde a primeira temporada a trilha da série é lindíssima e consegue representar com muita qualidade os tons culturais que a série se propõe a entregar.

O tema que move o principal conflito na segunda temporada é o fato de Kublai ser desafiado, por seu primo Kaidu, para um “Kuruntai”, que é uma eleição feita com os votos dos chefes de cada clan mongol para definir quem deve ser o imperador da mongólia, o verdadeiro Khan dos Khans..

A trama da segunda temporada entregou muito mais do que esperado, considerando a temporada anterior, isso foi uma surpresa muito positiva. Apesar de alguns deslizes, como com o desfecho de alguns personagens (principalmente os personagens femininos), a série manteve o nível altíssimo no quesito produção, se superou em lutas magnificas, e entregou um final digno de expectativas para o que vem a seguir.
Além de recomendarmos a série por seu aspecto artístico, ela é uma ótima representação do século XIII, e traz muitos elementos da história da China, Mongólia, além de nos aproximar ainda mais da história de Gengis Khan, o mais conhecido de todos os Khans.

Estamos realmente ansiosos para a terceira temporada de Marco Polo, um verdadeiro épico-histórico com o selo Netflix de qualidade. 


  • País: Estados Unidos

  • Duração Média: 53 min.
Jemerson Vieira

Jemerson Vieira

Um publicitário que adora tudo sobre séries, inovação e empreendedorismo. Fundou o Cri-Cri para quebrar padrões em críticas e estar sempre atualizado nas coisas que ama!