Crítica: Game Of Thrones – 6ª Temporada

No inicio da primeira temporada, Ned Stark (Sean Bean), aquele que para muitos até hoje faz falta, disse : Fiquem ligados galera.. O inverno está chegando – The winter is coming .

A sexta temporada de Game Of Thrones iniciou com uma grande expectativa deixada após o final da Quinta, algo que culminou com o final do quinto livro, além da expectativa dos fãs para saber quais rumos seriam dados agora que a série finalmente ultrapassou o volume literário da obra de George R.R Martin. Confesso que estava apreensivo, não sabia o que esperar de uma nova temporada que teria grandes desafios para resolver sem poder se basear “fielmente” nas obras já publicadas. Mas, dez longas semanas depois do primeiro episódio, posso afirmar com certeza e sem medo de errar: ESTA FOI A MELHOR TEMPORADA DA SÉRIE.

Pausa para uma reflexão:

Nesta temporada aprendemos a importância de Segurar uma porta, descobrimos quem é a mãe de Jon, aprendemos que um olhar vale mais que mil palavras, né tormund? Vimos dragões queimarem todos, falando em queimar todos, nunca mexa com Cersei lannister. Vimos que ninguém protege ninguém e que ninguém nem sempre é ninguém, pois pode ser Arya Stark.Vimos que toda Lyanna é realmente uma grande mulher. Mas vale sempre lembrar: You Know Nothing Jon Targaryen.

 

Agora vamos falar sério…

Ao que parece, com a possibilidade de trabalhar de forma mais “livre”, os roteiristas David Benioff e D. B. Weiss conseguiram trabalhar a série com um formato mais “organizado”, apesar de em diversos momentos aparentar uma certa pressa, os arcos trabalhados na sexta temporada conseguiram ser concluídos de maneira convincente, principalmente no caso de Arya Stark (Maisie Williams), que desde a segunda temporada nos parecia mais uma andarilha, sem deixar realmente claro quais seriam seus caminhos e objetivos para o futuro.  De certo, o principal foco desta temporada foi o Norte, com a Ressurreição de Jon Targaryen/Snow (Kit Harington)  e o renascimento/amadurecimento de Sansa Stark (Sophie Turner), retomar o lar dos Starks foi se tornando um objetivo palpável a cada novo episódio, chegando ao grande, épico, genial desfecho no nono episódio, na memorável Batalha dos Bastardos.

Em contra partida pudemos ver como Tyrion Lannister (Peter Dinklage) é um estrategista político em Meeren, criando e administrando estratégias para lidar com os momentos de dificuldade enquanto a Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) estava conquistando um novo e gigantesco exército. Cá entre nós, perdi as contas de quantas cenas fantásticas dos dragões nós tivemos, uma melhor que a outra, deixando claramente exposta a evolução dos efeitos se comparado com o final da  temporada anterior. Nitidamente, a sexta temporada teve um novo aporte financeiro da HBO, que em determinados momentos proporcionou qualidade superior a grandes filmes que vemos pelos cinemas mundo a fora.

Vale lembrar que em porto real tivemos uma temporada muito amarrada politicamente, porém com grandes momentos também. Cersei Lannister (Lena Headey) demonstrou estar em um novo momento, desta vez muito mais cautelosa, em certos momentos apática, porém sem deixar de ser a grande personagem estrategista e fria que sempre foi desde o inicio de seus arcos.

Um importante destaque deve ser destinado a Bran Stark (Isaac Hempstead-Wright), que agora é o Corvo de três olhos, aparentemente, com cada vez mais domínio de seus dons, terá papel muito importante nas próximas duas temporadas de existência da série.

Em resumo, a sexta temporada de Game Of Thrones se tornou, assim como as anteriores ou até mais, uma obra de Fantasia memorável, deixando claro que o que muitos esperam, realmente acontecerá em breve : A tão aguardada reunião dos Starks.

Mesmo tendo mais duas temporadas confirmadas até o momento, com estimativa de 15 episódios ao total, a série já nos dá um gostinho nostálgico do que será feito com este magnifico universo após o seu final. Por enquanto, nos cabe aguentar firme, serão mais 10 meses de tortura para os fãns que respiram o universo de Martin, mas que com toda certeza serão meses que valerão a pena após mais uma temporada que entrará para a história.
Vale reforçar que, para nós, esta foi uma temporada para se destacar como a melhor de todas, com grandes momentos e com muita constância de qualidade em todos os arcos trabalhados – exceto Dorne, a gente realmente não quer lembrar de Dorne. – e agora só nos resta se preparar, o corvo branco finalmente apareceu e com ele podemos ouvir em todos os cantos: O INVERNO CHEGOU.

Jemerson Vieira

Jemerson Vieira

Um publicitário que adora tudo sobre séries, inovação e empreendedorismo. Fundou o Cri-Cri para quebrar padrões em críticas e estar sempre atualizado nas coisas que ama!