Crítica: BoJack Horseman | 4ª Temporada

Em seu aguardado retorno, a premiada animação da Netflix supera expectativas e entrega mais uma temporada cômica, reflexiva e consegue incluir esperança na vida de Bojack.

Há vários meses estamos acompanhando as notícias a respeito do retorno desta animação, que é o produto “Original Netflix” que eu mais gosto, e finalmente chegou a hora de falarmos mais um pouco sobre BoJack Horseman.

O primeiro episódio por si só já é diferente de todos os outros. É o primeiro episódio da série em que seu protagonista não aparece em nenhum momento, tendo como foco o que seria o principal plot do núcleo Mr. Peanutbutter, Diane e Todd: a tentativa de eleição para Governador da Califórnia. É engraçado como em diversos momentos a narrativa da série deixa claro quais serão os resultados que ela quer alcançar, mas sempre nos surpreende nos caminhos. Um exemplo claro disso é a maluquice em torno da tal descida de Ski que valeria a possibilidade de aquisição do cargo de Governador. Com todo o desenvolvimento das ações em torno do tema, aparentemente estava mais do que claro que algum momento o Mr. Peanutbutter venceria a corrida. Mas a série prova que com um roteiro bem escrito, tudo pode se tornar uma surpresa.

A temporada pegou de forma firme o tema “Espetáculo midiático na política” e mais uma vez nos mostrou de forma crítica e inteligente que o posicionamento político que tem como único objetivo estar nos trend topics nunca será algo socialmente positivo para nenhum País. Curiosamente a série aborda isso justo quando diversos países estão passando por esse momento, coincidência ou não, podemos facilmente citar nomes de políticos que baseiam suas propostas para bombar nas redes sociais, agradar extremistas ou apenas surfar na onda das principais manchetes dos veículos de comunicação. Todos os momentos em torno do tema nos renderam diversas risadas e também serviram para ~tentar~ evidenciar que: agir por impulso ou apenas para ver o circo pegar fogo nunca será a solução para qualquer Cidade, Estado ou País. Resultado de imagem para bojack horseman quarta temporada

Voltando ao nosso depressivo e egoísta protagonista, tivemos uma temporada muito diferente se comparada às anteriores. Desta vez pouco se viu da amizade entre BoJack e Todd, do amor de BoJack por Diane ou até mesmo dos arranca rabos (com perdão dos trocadilhos) entre BoJack e a Princesa Carolyne. O tema que de fato esteve em pauta no núcleo de Horseman foi:  Família. 

As relações familiares sempre foram questões delicadas nesta série, nunca fomos de fato apresentados aos motivos que levaram os pais de BoJack tratarem ele tão mal. Apenas aceitamos o ódio alimentado em relação à sua Mãe (que de fato sempre foi malvada com ele) e nunca nos questionamos sobre o que ela havia passado para chegar até esse ponto. Bom, dessa vez o tema foi abordado, e tenho certeza que muitos não odeiam mais a senhora Beatrice Horseman. Tudo o que ela fez ao filho não é fácil de esquecer, mas ao menos agora conseguimos entendê-la.

Os momentos mais interessantes da quarta temporada consequentemente acabaram nascendo dessa relação corroída de Mãe e Filho, principalmente quando somos inseridos às memórias de Beatrice. Mostrando a decadência e fragmentação de suas memórias através de rostos rabiscados, cenários tremidos e o modo como a mãe de Beatrice aparece com uma sombra cujo único traço identificável é a cicatriz de sua lobotomia, experimentamos o horror vivenciado por uma pessoa presa na própria cabeça, constantemente revivendo seus piores e mais traumáticos momentos, não muito diferente do que tinha acontecido com sua própria mãe, isso acaba de certa forma se tornando uma rima narrativa que mostra o estado em que Beatrice chegou. É como um ciclo que se renova e em diversos momentos, senti o peso de como isso pode apagar o brilho de uma vida.

Seguindo no aspecto família, conhecemos uma nova e carismática personagem chamada Hollyhock, que com certeza é mais um personagem que irá engrandecer a série. Uma jovem que ao mesmo tempo consegue ser madura e insegura e que, apesar de ter sido criada por 8 Pais diferentes ( e bem estranho) claramente nasceu com todas as principais características de um Horseman.

Em resumo, a 4ª temporada de BoJack Horseman nos mostrou que ainda existe um universo a ser explorado na série, que apesar de nonsense ela também é extremamente realista para problemas da sociedade contemporânea e que nem tudo pode ser ruim. Ainda existe uma luz, mesmo que fraca, brilhando no fim do túnel para que BoJack não faça parte de mais um ciclo tragédias que gira em torno de sua Família.

Pela primeira vez vi um pouco de esperança para este personagem que, inegavelmente, é um dos mais depressivos do da cultura pop.

Curta o Crítica Criativa no Facebook!

Jemerson Vieira

Jemerson Vieira

Um publicitário que adora tudo sobre séries, inovação e empreendedorismo. Fundou o Cri-Cri para quebrar padrões em críticas e estar sempre atualizado nas coisas que ama!