Séries que você precisa ver #04: American Crime Story: The People V. OJ Simpson

The People V. OJ Simpson é uma daquelas series que retratam eventos que realmente aconteceram, nesse caso, o famoso e midiático caso de OJ Simpson. Claro que eles adicionam alguns detalhes pra dar emoção e compor a trama, mas, de resto, tudo aquilo aconteceu de verdade e é possível confirmar fazendo uma pesquisa rápida na internet.

OJ era um grande jogador de futebol americano, conhecido mundialmente e amado pelos americanos, foi acusado de matar sua ex-mulher Nicole Brown e o namorado dela, Ronald Goldman. Na época dos fatos, ele não atuava mais como jogador, só como ator, até que na noite de 12 de junho de 1994, sua ex-mulher e o namorado foram encontrados mortos na entrada na casa dela.

Em questão de horas, OJ já era considerado o principal suspeito. A partir daí, toda a história começa a se desenvolver e a gente pôde acompanhar o julgamento interminável, as disputas entre a promotoria e os advogados de defesa, a polêmica das luvas, a escolha do júri, a exposição do caso na mídia, além de outros detalhes importantíssimos desse crime horrível.

 

A série ganhou inúmeros prêmios e desbancou séries aclamadas como Game of Thrones. Levou nove prêmios no Emmy e Sarah Paulson, que interpreta a promotora Marcia Clark, ganhou todos os prêmios da TV dos EUA como Melhor Atriz, um fato inédito na história! Claro que todos esses prêmios são resultado de uma escolha de elenco impecável, temos Cuba Gooding Jr como OJ (que foi a escolha mais criticada por não retratar fielmente o ex-jogador), John Travolta como Robert Shapiro, David Schwimmer (o Ross de Friends) como Bob Kardashian.

Além da trama principal, ainda podemos conhecer um pouco mais sobre a história de Marcia Clark, que sofreu muito com a pressão desnecessária da mídia sobre ela, fizeram chacota sobre o cabelo dela, o jeito como ela se vestia, com o fato dela ser mãe solteira, etc. Inclusive, o episódio 6 foi o que mais de deixou enojada com todo esse espetáculo da mídia sobre o caso. Também ficamos sabendo um pouco sobre Bob Kardashian, sim, o pai da família Kardashian. Ele ficou famoso depois de apoiar OJ, já que eram amigos há anos. É um personagem importante pra série porque ele acredita cegamente no amigo, mas chega uma hora, que nem ele fica livre de dúvidas.

A decisão de produzir uma série sobre um caso como esse que ~todo mundo~ conhece do início ao fim é complicada, mas o timing foi perfeito, já que o público que mais consome séries ainda era criança nos anos 90 e, provavelmente, não conhecia o caso (como eu hahaha). Além disso, quem já sabia tudo, pode assistir pra ver “o outro lado” da história, o lado das pessoas, dos advogados, da promotoria, como a questão racial era tratada na época e como a cultura do espetáculo é prejudicial a tudo e todos.

A questão racial é muito abordada na série, já que OJ Simpson era um símbolo do negro bem sucedido numa época em que a polícia de Los Angeles perseguia e executava os negros sem um pingo de dó. A defesa usa esse argumento com unhas e dentes fazendo com que todas as provas que apontam pra ele fossem soterradas por um racismo que, nesse caso, nunca existiu.

É uma produção incrível, muito bem construída, mas já adianto: vai te deixar com muita raiva! O clima é tão tenso que chega a ser angustiante. Eu mesma queria parar de assistir na metade porque não aguentava me sentir sufocada com aquela patacoada! Hahaha. Mas assisti até o final e não me arrependo, acho que séries assim servem pra gente refletir e não repetir os mesmos erros sabe?

É importante que todo mundo assista. Sério.

A série está disponível na Netflix e tem 10 episódios.

Se já assistiu, comenta aí se já conhecia o caso e o que achou do tão aguardado veredito!

Não esqueça de curtir a página do Cri-Cri no Facebook.

Ingrid Mamolli

Ingrid Mamolli

Mais uma que caiu no conto do publicitário bem sucedido, apaixonada por séries, filmes e tudo relacionado à internet!